Vencedores 2017


Projeto: Escola e museu – uma experiência possível e necessária

Professor: Beatriz Garcia Costa

EMEI Dona Leopoldina

DRE Pirituba / Jaraguá



AA EMEI Dona Leopoldina está localizada no Alto da Lapa e atende 235 crianças de 4 a 5 anos em período integral. A escola possui diversos espaços multiplicadores: ateliê de arte, de costura, sala verde para o manejo da terra, da argila e de tintas naturais, pomar, um refeitório dividido em laboratório e cozinha experimental, assim como uma sala multimídia, também usada para cinema, teatro e dança, e que abriga uma biblioteca. O projeto “Escola e Museu – uma experiência possível e necessária” é uma parceria entre a escola e o Museu da Casa Brasileira, que busca aprofundar a discussão sobre a arte e o fazer artístico das crianças.

A ação promoveu uma intensa formação dos professores junto aos educadores do MCB, que aguçavam questões sobre a produção artística infantil e a importância da escuta no processo individual e coletivo do fazer e pensar a arte.

A partir desses estudos os professores passaram a reconhecer e valorizar ainda mais as vozes infantis, entendendo as crianças como autores e apreciadores da arte. As crianças e os professores passaram a desenvolver curadorias conjuntas para a realização de exposições dos trabalhos feitos pelos alunos; os desenhos produzidos pelas crianças se tornaram projetos arquitetônicos para a construção da tão sonhada casa na árvore, que contou também com a ajuda da comunidade para sua construção.

Inspirados pelas atividades e discussões propostas pelo Museu e pela escola, o Conselho Mirim da EMEI Dona Leopoldina enviou sugestões de intervenções estéticas na cidade para o prefeito regional, amplificando a relação com o território.

Nessa experiência, escola e museu se encontram em um lugar de troca de saberes, possibilitando novos olhares para as práticas pedagógicas de ambos.


Projeto: Território do saber: Trabalho de Campo

Professor: Carlos Renato Asakawa Novaes

EMEF Emiliano Di Cavalcanti

DRE Penha



O projeto “Território do Saber: Trabalho de Campo” surge da necessidade de aprofundar e enriquecer os estudos sobre a questão cultural e socioambiental na cidade. As aulas dos alunos do 4º ao 9º ano da EMEF Emiliano Di Cavalcanti foram ampliadas através de saídas investigativas pelo território que possibilitam a utilização da cidade como expansão do espaço escolar.

Nestas experiências os estudantes transitam por espaços públicos e privados na cidade com um olhar investigativo e explorador, levantando questões e potencialidades sobre o território, que são discutidas em sala de aula. O projeto conta com a colaboração de ex-alunos, professores e contadores de histórias, que potencializam e aguçam as discussões.


Projeto: O Haiti é aqui...em Perus!

Professor: Cristiane Maria Coutinho Fialho

CIEJA Perus I

DRE Pirituba / Jaraguá



O projeto consiste em uma pesquisa intensa sobre o bairro de Perus, território onde está inserido o Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos - CIEJA Perus I. Verificou-se, a partir de conversas com lideranças locais, o constante crescimento da comunidade haitiana no bairro. Atualmente há cerca de 700 imigrantes haitianos morando na região, sendo que 190 estão regularmente matriculados nessa unidade escolar.

Atento às questões sociais e culturais desses alunos, o CIEJA Perus I reorganizou o seu currículo a fim de integrar a comunidade haitiana no ambiente escolar. Formaram turmas para ensino reforçado de Português, História e Geografia do Brasil, além de aulas sobre aspectos mais específicos da cidade de São Paulo e do Bairro de Perus.

As diversas ações de integração entre alunos haitianos e brasileiros promovidas pela escola, culminaram na “Festa Cultural”, uma festa de valorização da cultura haitiana, que contou com música e culinária típicas da região do Haiti. Além de alunos e professores, moradores da região também participaram e colaboraram com a festa.

O projeto busca desenvolver um currículo integrador, atento às demandas do território e a inclusão de imigrantes em nossa sociedade, para que se sintam acolhidos e tenham acesso a direitos básicos. Como um dos resultados dessa integração os alunos haitianos planejam aulas de frânces e creole abertas para toda a comunidade a fim de complementar as ações da escola.


Projeto: Roteiro de Aprendizagem “ Gênero e diversidade” – um diálogo pedagógico e social

Professor: Fernanda Zientara do Nascimento

EMEF Infante Dom Henrique

DRE Penha



Diante da necessidade de rediscutir o currículo da escola, a fim de estabelecer um novo diálogo com os adolescentes, os professores da EMEF Infante Dom Henrique, localizada no bairro do Canindé, zona norte de São Paulo, desenvolveram o projeto “Roteiros de Aprendizagem”, destinados aos alunos do 8º ano. Esse projeto consiste na elaboração de um material de estudo sobre o tema “Gênero e Diversidade” onde assuntos como violência contra a mulher, racismo e homofobia são abordados de uma forma interdisciplinar.

O território Pari-Canindé foi cenário do livro “Quarto de Despejo”, de Carolina Maria de Jesus, que aponta em seu enredo questões como desigualdade, falta de acesso a bens materiais e culturais e violência contra a mulher. A escolha do tema “Gênero e Diversidade” surge do resultado de conversas com toda a comunidade escolar, alunos, professores e familiares que, por meio do levantamento da história do bairro, apontaram para diversas questões sociais destacadas por Carolina Maria de Jesus em seu livro.

Frente a essas percepções o projeto “Gênero e Diversidade” desenvolveu diversos encontros entre territórios, onde alunos, comunidade e instituições parceiras se encontravam para discutir e aprofundar a temática visando a investigação, a reflexão e a realização de ações relacionadas a um tema comum e importante para todos, fortalecendo, assim, o entendimento de cada um sobre seus papéis enquanto cidadãos.


Projeto: Vamos jogar limpo? O entorno escolar e o caminho para aprender juntos

Professor: Janaina Silva Coelho

EMEF Sebastião Francisco, o Negro

DRE Itaquera



“Vamos jogar limpo? O entorno escolar e o caminho para aprender juntos” é uma ação político-pedagógica da EMEF Sebastião Francisco, o Negro, localizada no bairro de Cidade Líder, zona leste de São Paulo. O projeto buscou, inicialmente, tratar de um problema grave de descarte de lixo na fachada da escola, o que acarretava, além de problemas de saúde pública, uma difícil relação entre a escola e os moradores de seu entorno.

A fim de repensar essa relação o projeto fomentou parcerias com empresas de descartes de lixo e coleta seletiva e com a subprefeitura. Também promoveu ações de conscientização entre os alunos de 1º a 9º ano e seus familiares sobre a importância do descarte correto de resíduos.

Através do engajamento de todos os participantes, a comunidade também se apropriou do problema e passou a buscar soluções conjuntas com a escola, estreitando as relações com o poder público para a resolução, não só deste caso, como de outros problemas do bairro. Essa ação tem possibilitado a criação de redes de contato e trocas de saberes entre escola e bairro através da união de ideias e ações para a melhoria dos locais onde vivem e estudam, estreitando seus laços com o território.


Projeto: Teatro em Libras – A revolução dos bichos

Professor: Maria Aparecida Pereira de Castro Augusto

EMEBS Professora Vera Lúcia Aparecida Ribeiro

DRE Pirituba / Jaraguá



A EMEBS Vera Lúcia Aparecida Ribeiro é uma escola municipal de educação bilingue (Libras - Português) para alunos surdos e com deficiências múltiplas associadas a surdez. Atende, atualmente, cerca de 170 alunos entre crianças, jovens e adultos do bairro de Pirituba.

O projeto “Teatro em Libras – A revolução dos bichos” busca fomentar o processo de inclusão e sociabilização dos alunos surdos de 7º, 8º e 9º ano, através do desenvolvimento de atividades artísticas feitas em conjunto com professores e alunos ouvintes. Os pais desses alunos surdos também são foco desse projeto, pois que, em sua maioria, não têm domínio da língua brasileira de sinais.

Todas as etapas de elaboração da peça (escolha de figurino, construção de cenário, texto, etc.) foi desenvolvida pelos alunos e professores.

A peça ultrapassou os muros da escola e foi apresentada em outras unidades de ensino e também para o público ouvinte em LIBRAS e em português.


Projeto: Conhecer e usufruir a cidade, utilizando o transporte público, exercendo a cidadania embasada nos direitos humanos

Professor: Maria Isabel Kastner

EMEF Professora Nilce Cruz Figueiredo

DRE Jaçanã / Tremembé



O projeto desenvolvido pela EMEF Professora Nilce Cruz Figueiredo, localizada no bairro Lauzane, zona norte de São Paulo, busca estimular o uso do transporte público e intensificar o diálogo da comunidade escolar com a cidade. Ao realizar saídas culturais com os alunos do 6º ao 9º ano, o projeto visa fomentar não só a participação desses jovens na vida ativa da cidade, possibilitando o acesso a museus, atividades artísticas, projetos sociais e encontros poéticos em diversos pontos do território, como também aproximar os alunos da sua própria cidade, como cidadãos.

Os gestores realizam parcerias com as empresas de ônibus municipais e com o metrô, para que possam assegurar o auxílio no embarque e desembarque dos alunos, inclusive dos estudantes com deficiência ou mobilidade reduzida.

A importância desse projeto se estende para além da comunidade escolar, pois, ao alterar a dinâmica convencional da cidade, encoraja a população a voltar seus olhares aos temas da mobilidade urbana e do direito a cidade.


Projeto: BrincaCEU

Professor: Naíme Andréa da Silva

CEU Butantã

DRE Butantã



O projeto “BrincaCEU”, desenvolvido no CEU Butantã desde 2015 e estabelecido a partir de uma proposta consonante com as diretrizes da educação integral, visa proporcionar aos alunos, às famílias e à comunidade frequentadora do CEU um momento de interação multigeracional por meio do brincar.

A ação consiste na elaboração de um calendário anual dedicado a um conjunto de brincadeiras e jogos que visam potencializar a criatividade, a coletividade, o desenvolvimento artístico, assim como o livre brincar. Esses conjuntos são construídos a fim de atender a toda comunidade frequentadora do CEU, integrando alunos desde a educação infantil ao EJA.

O BrincaCEU se tornou uma alternativa de lazer importante para o território, já que, além de ser uma demanda de alunos e moradores da região, é também um projeto itinerante, ampliando sua área de atuação para outras unidades escolares como o CEMEI Jaqueline e o CEMEI Chácara do Jóquei, mas também em outros espaços públicos como, por exemplo, a Paulista Aberta.

Ao estimular o convívio entre crianças e adultos, o projeto aponta para a potência do brincar enquanto prática inclusiva e se revela uma forma importante de resgate e valorização de uma cultura da infância.


Projeto: Projeto Memórias

Professor: Núbia Maria Gomes Esteves

EMEF Solano Trindade

DRE Butantã



O “Projeto Memórias” teve início em 2010 através de uma parceria entre a Universidade de São Paulo e a EMEF Solano Trindade, localizada no Jardim Miriam, zona sul de São Paulo. O projeto busca resgatar, valorizar e preservar a memória do bairro, da escola e dos sujeitos que ocupam o espaço escolar para que assim todos possam se sentir pertencentes ao local onde vivem e estudam.

Foram criadas diversas frentes de estudos interdisciplinares junto aos alunos de 1º a 9º ano que envolviam: reconhecimento e valorização da história do bairro através de visitas a diversos espaços e a diversos sujeitos importantes para a comunidade, estudo da topografia e paisagem local e uma pesquisa sobre a biografia de Solano Trindade, patrono da escola. A partir desse conjunto de ações a escola inaugurou o “Memorial Solano Trindade”, um espaço que conta com documentos textuais e iconográficos sobre as memórias locais e com um acervo sobre a obra do referido patrono. O material disposto no memorial é organizado em conjunto com os alunos e parte do acervo é exposto periodicamente e as exposições são abertas para toda a comunidade.

O projeto estabeleceu parcerias com moradores e equipamentos locais para a manutenção da escola e do entorno, como a diminuição de lixos em córregos e a conservação conjunta do prédio da escola, além de uma aproximação com a própria família de Solano Trindade, que participa ativamente de atividades escolares fortalecendo, assim, a relação entre a escola e o território.


Projeto: Um rio que passou em minha vida

Professor: Tania Maria Uehara Alves

EMEF Carlos Augusto de Queiroz Rocha

DRE Santo Amaro



O projeto “Um rio que passou em minha vida” é desenvolvido com o grupo de EJA (Educação de Jovens e Adultos) e propõe um aprofundamento do processo de urbanização da região de Cidade Ademar a partir das histórias pessoais dos alunos, das suas origens e do resgate da memória das águas.

São feitos estudos dos rios e córregos que circundam a região de morada de cada aluno, problematizando o modo como vivem e as formas como se relacionam com este espaço. Para ampliar o estudo são feitas visitas em equipamentos culturais e realizados encontros com grupos musicais de choro e samba da região, gêneros musicais profundamente ligados a história do bairro e a todo movimento de transformação do território. Há também parcerias com coletivos que desenvolvem ações para pensar a questão urbana e hídrica da cidade.

Esse projeto valoriza memórias individuais e coletivas e faz com que os participantes entendam melhor os próprios percursos para assim gerarem novas sensibilidades e saberes necessários para ser e estar no mundo.


PATROCÍNIO

APOIO

REALIZAÇÃO


Av.Brigadeiro Faria Lima, 201
Pinheiros - São Paulo - SP
CEP 05426-100